Novidade!

Agora você pode publicar seus comentários utilizando sua conta do Facebook. É fácil, basta estar on-line no Facebook para conseguir comentar na maioria das postagens.
Não deixe de comentar!

Tentação, Paixão e Morte de Jesus Cristo

Tentação, Paixão e Morte de Jesus Cristo
(por Grupo de Jovens "Seguidores de Assis")


http://www.youtube.com/watch?v=o_4va5ayivE


I – ATO [TENTAÇÃO]

(Durante todo o ato toca uma música de fundo)


Encardido: Jesus, Jesus, Jesus, o Espírito trouxe até aqui sabe por que?

Jesus: Para ser testado.

Encardido: O Espírito trouxe e permitiu que você conheça o que os homens sentem o quando estão sendo testado por mim. Mais pra isso deve renunciar a todos seu privilégios. Deve ser igual a eles em todos seus sentidos, tão frágil, sozinho e pequeno quanto eles são, retire seu escudo, abandone a proteção do poder que te envolve, abra mão de sua dignidade, renuncie a proteção de seu pai, somente sem a proteção do seu pai poderá sentir o que os outros sentem e assim poderemos desafiar um ao outro.Bem vindo a vida Jesus.


Pausa


Encardido: Você não parece bem Jesus, esta com fome?

Jesus: Estou!

Encardido: Ordene que estas pedras se transformem em pedaços de pão!

Jesus: Esta apelando para o poder do meu pai?

Encardido: Você tem o poder de transformar estas pedras não tem?

Jesus: Sou apenas o filho!

Encardido: Mas você tem o poder!

Jesus: Se eu usa-lo desta forma falharei na minha missão, ele me pediu para levar sua palavra ao homem e não esmaga-lo com seu poder.

Encardido: Só estou pedindo pão, para aliviar a sua fome Jesus. Os homens têm fome, alimente seu povo faminto Jesus.

Jesus: Nem só de pão vive o homem mais de toda palavra da boca de Deus.

Encardido: Você não esta entendendo Jesus? Você tem o poder de resolver os problemas da humanidade! Alimente este povo, muitos morrem de fome, você pode alimenta-los.

Jesus: Fui enviado para alimenta-los com a verdade.

Encardido: Eles têm fome de pão.

Jesus: Não eles morrem de fome por causa do coração de pedra de outros homens, não por que Deus deseja.

Encardido: E você pode mudar tudo isso! Acha que eles irão ouvir um campônio de Nazaré? Você e apenas você tem a verdade, enviada por Deus.

Jesus: Outros já falaram a verdade.Encardido: E os homens destruíram todos eles ao longo dos anos. E você, eles irão ouvi-los, por que?

Jesus: Ouviram...

Encardido: E como fará isso Jesus? Como fará com que eles te ouçam, Tudo bem eu vou ajuda-lo.


Pausa


Encardido: Não há outra maneira para fazer que os notem Jesus, deve convence-los que foi enviado por Deus jogue-se daqui e Deus enviara os Anjos do Céu para que os ampare, aí eles verão que você é alguém a ser ouvido.

Jesus: Assim eles ouviriam não é?

Encardido: Ah eles ouviriam alguém que pudesse faze isso!

Jesus: Esse não é o desejo de meu pai! Se ele quisesse testar suas leis, as leis da natureza ele não teria me enviado. Não teste Deus para seus próprios objetivos.

Encardido: Jesus de Nazaré, Jesus de Jerusalém, Jesus do Egito, Jesus da Bethânia, Jesus de Israel, Jesus de Belém, onde mais você esteve Jesus?

Jesus: Lugar algum!

Encardido: Não, então não tem como entender os riscos, deixe me mostrar.


Pausa


Encardido: Poder, Jesus, Poder, não o segundo em comando, o numero 1, você jamais sentiu este poder, eu sim, ainda não fui capaz de senti-lo, agora você pode ser o numero 1. Sabe o que isso significa Jesus.

Jesus: Não!!

Encardido: Poder é o que todos os homens querem, mais do que tudo no mundo eles matam por isso, não há nada mais precioso e esta a sua disposição.


Pausa


Encardido: Curve se a mim Jesus, somente uma vez, em toda existência antes e depois dos tempos, só uma vez, é um preço pequeno, pense na recompensa.

Jesus: Afasta-se de mim Satanás, por que esta escrito amara o senhor seu Deus e servira apenas a ele, eu não vou criar, um reino dos homens me tornando o mais poderoso, mais sendo o mais pobre, por que sou o cordeiro de Deus.

Encardido: Pague então o preço de sua escolha... Nazareno!

(Encardido se afasta, e Jesus sai de cena é feita mudança de cenário, e entra Pilatos)



II – ATO [JULGAMENTO]


Pilatos – De que acusais este homem?

Povo – Se ele não fosse malfeitor, nós não teríamos trazido aqui.

Pilatos – pois bem, tomai-o vós mesmos e julgai-o, segundo vossa lei.

Povo – Nós não temos o direito de condenar alguém a morte.

Povo – Este homem é um amotinador, que anda seduzindo o povo: proíbe que se pague tributo a César diz que é Cristo - Rei.

Pilatos – Que entre Jesus!

Pilatos – Éis tu o rei dos judeus?

Jesus – É de ti mesmo que isto pergunta, ou foram outros que te disseram de mim?

Pilatos – por acaso eu sou judeu? O teu povo e os chefes dos sacerdotes te entregaram a mim.
o que fizestes?

Jesus – O meu reino não é deste mundo. Se deste mundo fora o meu reino, os meus guardas lutariam para que eu não fosse entregue as autoridades dos judeus. Mas o meu reino não é daqui.
Pilatos – Logo tu, é rei?

Jesus – Sim, eu sou rei. Para isto nasci, e por isso é que vim ao mundo: para dar testemunho da verdade. Todo aquele que esta com a verdade. ouve a minha voz.

Pilatos – Que coisa é a verdade?

(Obs.: Ao dizer isto, pilatos sai ao encontro das autoridades dos judeus, e disse-lhes:)

Pilatos – Eu não encontro nele nenhum motivo de condenação a este homem.

Povo – Ele ensina o povo com suas doutrinas, indo por toda a Judéia, começando pela Galiléia até aqui.

Narrador – Na festa da Páscoa, Pilatos costumava soltar um preso que eles mesmos pedissem. Hora havia um tal, chamado barrabás, que estava preso por assassinato, então pilatos se dirigiu ao povo e disse:

Pilatos – Tragam o homem.

Pilatos – É costume entre vós que eu solte um criminoso, por ocasião da Páscoa. Qual quereis que eu solte? Barrabás, ou Jesus, que se chama o Cristo?

Povo – Solte Barrabás, solte Barrabás.

Pilatos – Qual dos dois quereis que eu solte?

Povo – Faz morrer este, e solte Barrabás! Barrabás!

Pilatos – Mas o que quereis que eu faça ao Rei dos Judeus?

Povo – Crucifique-o, crucifique-o

Pilatos – Mas que mal fez este homem? Não encontro nele causa alguma de morte, mandarei castigá-lo, e depois soltá-lo.

Povo – Se tu soltas este homem, não és amigo de César.

Povo – Queremos que crucifique-o, crucifique-o

Narrador – Pilatos vendo que não conseguia convencer o povo disse:

Pilatos – Que solte o Barrabás. Façam o que quiserem com este homem.

Barrabás – Estou livre! livre!

Narrador – então, depois de soltar Barrabás, os soldados, colocaram sobre a cabeça de Jesus uma coroa de espinhos, e cobriram com um manto púrpura, lhe davam bofetadas, cuspiam nele e caçoavam de Jesus dizendo:

(Toca uma música enquanto os soldados colocam a coroa de espinhos e esbofeteiam Jesus)

Soldados – Salve o Rei dos Judeus.

Narrador – Pilatos então voltou e novamente o apresentou ao povo dizendo?

Pilatos – Eis aqui o vosso rei.

Povo – Nós não temos outro rei senão César.

Narrador – Pilatos olha para Jesus e lhe pergunta:

Pilatos – De onde és tu?

Narrador – Jesus não responde.

Pilatos – Tu não me respondes? Não sabes que tenho poder para te crucificar, ou para te soltar?

Jesus – Nenhum poder terias sobre mim, se ele não te fosse dado do alto, por isso aquele que me entregou em tuas mãos, é muito mais culpado.

Pilatos – Tomai-o vós mesmos e crucificai-o, porque eu não encontro nele motivo para condená-lo.

Povo – Nós temos uma lei, e segundo essa lei, ele deve morrer, porque se diz filho de Deus.

Narrador – Diante de tudo isso, pilatos então pediu aos soldados que lhe trouxessem água.

Pilatos – Que venha água! Sou inocente do sangue deste justo, perante isto eu lavo as minhas mãos.

Povo – Que seu sangue caia sobrte nós, e sobre nossos filhos.



III – ATO [VIA CRUCIS]

(Enquanto é colocada a cruz nos ombros de Jesus uma música se inicia e toca até a chegada ao calvário)

Narrador – Então os soldados depois de zombarem de Jesus, tiraram-lhe o manto purpura, e colocaram novamente sua túnica e lhe puseram uma pesada cruz em seus ombros e iniciaram a longa caminhada junto ao calvário.

Povo – Vamos crucificá-lo, ele é digno desta cruz, traidor e mal feitor.

Narrador – Pelas nossas franquezas, pelos nossos erros que lhe pesavam nos ombros Jesus cai pela primeira vez. Seguindo a sua caminhada pelo calvário, Jesus encontra a sua mãe, da qual lamenta ver seu próprio filho carregando a cruz. Junto com ela João evangelista, discípulo predileto de Jesus.

Narrador – Enquanto caminhava pelo calvário, obrigaram a um homem chamado Simão Cirineu, que vinhas nesta hora do campo a ajudar a carregar a cruz.Simão é levado a força para ajudar um homem que para ele era um estranho.

Povo – Vejam, esta vindo um homem do campo, vamos fazer a ajudar a cruz.

Simão Cirineu
– Eu não fiz nada, o que é que eu fiz? Eu não conheço este homem.

Narrador – Dentre o povo que acompanhavam Jesus, apareceu uma mulher chamada verônica, e ela enxugou o rosto de Jesus.

Verônica – Vejam estão matando a única e derradeira luz. O filho de Deus.

Narrador – Novamente sentindo o peso de nossos pecados, Jesus cai pela Segunda vez.
Uma grande multidão o acompanhava e umas mulheres que batiam no peito e faziam lamentações, disseram aos soldados:

Mulheres – Condenem a mim, e não a esse homem que é inocente.

Jesus – Filhas de Jerusalém não choreis por mim, chorai antes por vós mesmas e por vossos filhos, porque a de vir quem que se dirá: felizes aqueles que não tem filhos.



IV – ATO [CRUCIFICAÇÃO]

(Uma outra música se inicia no decorrer da crucificação, do momento de estar sendo pregado até ao início das falas)

Narrador – Já não suportando mais o peso, mais uma vez Jesus cai por terra.
Chegando ao lugar chamado Calvário, Jesus é despojado de suas vestes e crucificado. Junto com ele crucificaram dois ladrões, um de cada lado e puseram na cruz sobre a cabeça de Jesus um letreiro que dizia: Jesus de Nazaré, o rei dos judeus.
Depois de terem crucificado Jesus, os soldados pegaram suas roupas e as dividiram em quatro partes, uma para cada soldado, quando chegou a vez da túnica, eles decidiram tirar a sorte para ver com quem ficava a túnica, e assim cumprisse a profecia:repartiram entre si a minha roupa e sortearam minha túnica.

Povo – Ó tu que destróis o templo de Deus e reconstrói em apenas três dias, salva-te a ti mesmo, se és filho de Deus, desce da cruz.

Povo – Ele que salvou os outros não pode salvar a si mesmo.

Povo – Ele confiou em Deus, se Deus o ama que o livre agora.

Jesus – Meu pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem.

Mal ladrão – Se tu és Cristo, salva-te a ti mesmo e a nós.

Bom ladrão – Cala-te, não temes a Deus? Estando tu tão próximo a morrer? Nós recebemos o castigo que merecemos. Mas este homem, nenhum mal fez, senhor, lembre-te de mim, quando estiveres em teu reino.

Jesus – Em verdade, em verdade te digo, hoje mesmo estarás comigo no paraíso.

Narrador – Junto a cruz estava Maria, sua mãe e João evangelista, Jesus vendo isto disse:

Jesus – Senhora, eis ai teu filho, filho eis ai tua mãe.

Narrador – Quando chegou perto do meio dia uma escuridão cobriu toda a terra até as 03,00 da tarde, e as 3,00 horas da tarde Jesus bradou com um forte grito:

Jesus – Meu Deus, meu Deus porque me abandonaste?

Povo – Vejam, ele chama por Elias, vamos ver se Elias vem livrá-lo.

Jesus – Tenho sede.

Soldados – Vejam, ele está com sede, vamos dar vinagre a ele.

Narrador – Depois de colocarem vinagre em sua boca, Jesus soltou um outro grito:

Jesus – Tudo esta consumado. Meu pai em tuas mãos entrego meu espírito.

Narrador – Neste momento o véu do templo rasgou-se em dois do alto, a baixo, então o povo disse?

Povo – Na verdade este homem, era o filho de Deus.


V – ATO [DESCIDA DA CRUZ]

(Inicia a música que precede a descida do corpo de Jesus da cruz e toca até ao término da encenação)


Narrador – Depois da morte de Jesus, José de Arimatéia, que era discípulo de Jesus mas secretamente por medo dos judeus, pediu a Pilatos que lhe permitisse retirar o corpo de Jesus, Pilatos permitiu. Vieram, então, e retiraram o corpo de Jesus e o entregaram nos braços de Maria; sua mãe.

Narrador – Então eles tomaram o corpo de Jesus e o envolveram em panos de linho com aromas, como os judeus costumavam sepultar. havia um jardim, no lugar onde Jesus foi crucificado e no jardim, um sepulcro novo, no qual ninguém ainda fora colocado. Ali, então, por causa do dia da preparação dos judeus e porque o sepulcro estava perto, eles sepultaram Jesus e colocaram uma grande pedra para lacrar o sepulcro

Fim


Link para download da Trilha Sonora:

[Tentações]
http://www.4shared.com/file/95144939/f0138423/01_-_Tentaes.htm

[Julgamento]
http://www.4shared.com/file/95261027/caeb7216/02_-_Julgamento.html

[Via Crucis]
http://www.4shared.com/file/95146315/6c0de7d7/03_-_Via_Crucis.html

[Crucificação]
http://www.4shared.com/file/95146664/5280836d/04_-_Crucificao.html

[Descida da Cruz]
http://www.4shared.com/file/95148928/d4d93a4c/05_-_Descida_da_Cruz.html
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vale a pena conferir:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Missa das Crianças

Vale a pena conferir:


-----------------------------------------

-----------------------------------------